“The Fault In Our Stars” – John Green

Sou uma pessoa que gosta de fazer pequenos apartes na literatura pesada para acompanhar as modas e saber o porquê de tanto alarido. Não gosto de julgar algo sem conhecimento de causa (nunca me canso de dizer que li a saga Twilight toda para ver como era e assim que acabei vendi os livros) e, sendo frequentadora assídua do site Tumblr, era impossível escapar a tudo o que rodeia John Green – sobretudo porque o Tumblr está povoado com o público alvo de Green, os chamados young adults. Ajudou também estar em vésperas de uma frequência horrível.

Hazel Grace tem cancro desde pequena. Sobreviveu a uma crise quase por milagre e agora vive com os pulmões desfeitos, fazendo-se sempre acompanhar de bombas de oxigénio. Um dia, num grupo de apoio, conhece Augustus Waters, sobrevivente da mesma doença. Estabelece-se de imediato uma ligação extremamente forte e ambos vão viver os meses mais intensos das suas vidas. Claro que, tratando-se de um livro cujos personagens são doentes, a tragédia acontece.

Honestamente, fiquei agradavelmente surpreendida. A escrita é do mais simples que pode haver, disso não há dúvida. Mas fiquei feliz por os jovens adultos terem algo assim para ler. Porque a mensagem que The Fault in Our Stars transmite é fortíssima e é muito, muito importante que esta seja apreendida desde tenra idade. Por isso, saludo John Green. A história é triste desde o princípio ao fim mas não faz disso a sua imagem de marca. Há felicidade no meio desta tristeza e é isso que o livro transmite: a preciosidade que é viver. Nada mais do que isso.

O livro está actualmente a ser adaptado para o cinema pela mão de Josh Boone. Shailene Woodley, estrela adolescente em ascensão, interpretará o papel de Hazel – para o qual já cortou radicalmente o cabelo. William Dafoe também tem um pequeno papel. O filme estreará no próximo ano.

Não tenho grande interesse em ler o resto da obra publicada de John Green. Não é um tipo de literatura que me encha as medidas e, segundo me disseram, este é mesmo o melhor deles. Mas fiquei mesmo muito, muito feliz por haver um tão bom exemplo a seguir pelos mais jovens.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s