Once Upon a Show

I used to be what is commonly called a fangirl of the ABC show Once Upon A Time. I began with the pilot episode when it first aired and I have followed it non-stop ever since… until now. To give you an idea of how thorough my love for the show was, whenever the promos were good enough I would stay up and pull an all-nighter to watch it live, usually with a friend of mine (who has also given up on the show). We would discuss the plot non-stop, make up theories and suffer along with the Captain Swan shippers. We were hooked – pun intended – and we never thought the day would come when we would say “enough”. But here we are.

316388

What got me into the show was not just its premise of fairy tale characters trapped in our world (that had been done before in the Fables comic series) but the strength of the characters and the depth with which they were written, particularly the protagonist, Emma Swan. Emma was, for a time, the best female character on television. She was independent, accepted no bullshit from anyone, did her own thing, knew that life was no fairy tale but, behind all the barriers she put up, she was still a little girl wishing for a world where everything wasn’t as harsh as the reality she grew up in and a person with a very big heart and capacity for love. She was complex, and her growing process kept me watching the show week after week. The lifting of the curse could have meant the end for her development, but the writers turned it around: now here she was, with the parents she had always dreamed of right next to her but inserted in a magical world that made no sense. After twenty-eight years leading a very shitty life how would she deal with the love being thrown at her? Would she accept it? So her development arc continued, with more situations being added to the plot for her to fight against in order to know herself better. She even got a love interest that made all the sense in the world: Killian Jones, known as Captain Hook, who had also known his fair share of loss and grief, who also had barriers up and feared giving in. They both grew together, mirroring each other’s actions, they both were afraid of love, they both gave in. It was a mutual journey that was just a delight to watch. But then things started to get awry. Why?

My honest opinion is that the writers started pandering to the fan’s wishes and forgot their original intentions. It was clear from season one that they had very clear development arcs planned for each character, but then the show got popular, the fanbase grew bigger, the interactions between fans and the writers became extremely aggressive and they caved in. I think it began with the Frozen arc. It did still have a little bit to do with Emma’s growth – accepting her powers – but she could have easily achieved that without Elsa. And then the whole plot with Rumple and the hat. The rest of the season got a little bit better, digging into Emma’s past and her soul starting to break under so much emotional pressure. Her going Dark was a nice twist and I have absolutely nothing against the reasons why she chose that path and why she gave in to the darkness. After all, it was to protect the ones she loved. But Camelot was poorly executed, it felt so cheesy and can we talk about Regina being all mushy and out of character? Then they redeemed themselves again with that wonderful mid-season finale, only to come up with the horrible Underworld arc. That’s when every character started acting unlike themselves. Emma, the fighter, turned into a love sick puppy who couldn’t do anything without Killian. I get it, she broke down her walls for him and then he up and died, but Emma had enough development so far to manage the situation. Killian turned into a prop. Snow ceased to exist altogether (thankfully the writers took notice of this and gave her back a little of herself in the current season) and Regina did everything the fans wanted her to.

Regina is the main problem here. Regina and Rumple, but mostly Regina. It’s like the writers don’t know what to do with them anymore. Robert Carlyle once said that Rumple’s addition to the dark side was like a drug addiction, and once that was gone the character was no longer interesting to play. So…? As for Regina, it was sad when Robin died, although the actors had zero chemistry, but everything that has happened since then was pure pandering. The fans love de Evil Queen? Let’s bring her back for absolutely no purpose! Let’s put in more kitsch in it, let’s make everything more cheesy, let’s have her flirt with Rumple, why not? Oh, and let’s bring Robin back even though the previous season he had his soul friggin’ obliterated. A show that used to deal with how people dealt with loss now keeps bringing back characters from the dead and their answer to dealing with our own past is creating a potion that separates who we were from who we are. Emma and Killian’s growth? Poof, they’re lying to each other again and guess what!, they’re facing death again.

Once Upon A Time used to be a show that, even though it dealt with fairy tales, felt real. The characters were human, complex, multi-layered. Now they’re just cardboard copies of themselves wondering aimlessly around a show that needs to be put ouf of its misery. Soon.

How ‘Black Mirror’ finally broke me

Three seasons on and they finally managed to approach a subject very close to my heart: nostalgia, love, death and whatever comes after.

blackmirror_03

It wasn’t the story itself that moved me, although brilliantly written by Charlie Brooker. It was the concept of technology being used for good, for comfort, as a solution to something that terrifies most of us – the sheer nothingness that comes after we cease to exist. All those memories, moments, the feelings we had for the people we love, all gone. Zap. What San Junipero proposes is a device that connects us to an imagined, albeit very real, world, where we can choose from multiple decades to live in and where we can stay forever after we die. Not corporeally, of course, but in… I guess, spirit? Anyway, the main plot is about two girls who meet in San Junipero, a party hard town. They fall in love. Cut back to reality and they’re two old ladies, terminally ill. I won’t say much besides this because the ending is obvious; I mean, not Black Mirror obvious (it’s rather too happy for the overall darkness the series has gotten us used to). But can you imagine this sort of paleative care that lets your mind slip away to a happier time when you were young? And not just that, with the option to stay connected to that place forever? To, actually, live forever with those you love?

Of course “forever” is such an overwhelming notion. Would I really want to be with those I love for an unending period of time? Wouldn’t I get tired of being in a place with no possible way out? Maybe. It’s pretty possible. But this episode came a year after my grandmother died. She was like a mother to me. She took care of me every day when I was little, played with me, taught me the basis of everything I know. Whenever I think of her I feel this black hole inside my chest, sucking me in. What if I had the chance to see her again? How good would it be to have the technology illustrated in San Junipero right now? She could have signed in for the programme and I could just stick a little device on my temple, activate it and there she would be. And when I died, there she would be again. With my mother and everything I have lost so far and will lose in the future, because life’s just like that. It would be such a good reward for all our trials, something like “Keep struggling because in the end they will all be waiting for you.”. I wouldn’t really care about the drawbacks, to be honest.

Amazing episode, amazing writing and, I have to say, amazing choice of songs.

The Victoria Letters – H. Rappaport/D. Goodwin

I’m a bit conflicted about this, to be honest.

61jqaz1pdwl-_sx260_

As can be told by the jacket design, this is the official companion to the good-but-not-amazing ITV series Victoria. It came out just as the first season ended and, being me and an avid fan of Victoria’s early life and her romance with Albert I instantly pre-ordered it, seduced by the title. I knew there were many publications collecting the Queen’s letters but I hoped this book, aiming as it is at a wider, non-academic audience, would condense them and make a careful selection. It does that – but does it a bit too much.

This should be called Excerpts from Victoria’s Journals with Quotations Taken From Her Letters: A Concise Guide for the Historical Illiterate. The letters are few and very shortened. The journal excerpts are more abundant, but still not very surprising – with perhaps an exception to the two curious references to future Portuguese monarchs and the occasional anecdote or fact. I didn’t know, for instance, that Albert was delivered by the same midwife that delivered Victoria three months earlier. Which makes the fangirl in me believe that it was FATE, OKAY?!

Anyway, the book’s main text by author Helen Rappaport is extremely informative to those who aren’t familiar with Victoria’s life. It’s a very good introduction but those of us who know a bit more finish reading it wishing it went a little further. Also, the way it ends feels rushed. It has a proper introduction, but it ends abruptly with a brief reference to a possible second season, which has since then been confirmed. The Behind the Scenes section is interesting, but it also ends aprubtly. It reads like “sets-costumes-hair-bam-bam-bam-done”. I like my non-fiction books to be fully rounded.

It is, however, a beautifully constructed book with plenty of photographs from the series and scans of 19th century prints. Again, I recommend it if you’re a Victorian era enthusiast or if you’re curious about learning more about Victoria’s early life. I also recommend it as a collection piece, as a companion piece, something to look good on the shelf. But it fails to go a bit further and the title is misleading.

“Dracula”: o que ficou do primeiro episódio

Antes de mais quero apresentar a nova colaboradora deste cantinho: a minha querida colega de França no século XX, a Ana Ribeiro! Partilha também um grande carinho por literatura e por filmes clássicos. Espero, Ana, que gostes do teu tempinho por aqui. É um cantinho muito humilde mas sabe bem escrever, de vez em quando.

Quanto ao assunto a que o título se refere, aqui vamos nós. Contém spoilers.

Estreou ontem a nova série da NBC, que pega num clássico da literatura e do cinema: Dracula, com Jonathan Rhys Meyers.

Quando se fala em adaptações de Dracula a pergunta que imediatamente surge é “o que é que ainda não foi feito?”. Temos as versões minimamente fiéis ao clássico de Bram Stoker, temos a adaptação livre – e excelente – de Coppola e temos aqueles completos desperdícios de tempo e dinheiro como o Dracula 2000. A versão de Coppola seguiu fielmente as nuances mais ténues implicadas pela obra original como, por exemplo, a grande carga erótica disfarçada nas entrelinhas. E inventou, claro. Mas aquilo que foi inventado encaixou perfeitamente no filme apresentando-nos um Dracula mais humano, com mais motivação do que ser simplesmente um corpo estranho à política imperialista britânica. Quando ouvi falar desta nova adaptação fiquei curiosa: qual das versões iriam escolher adaptar? A original ou a da cultura popular?

A resposta é, aparentemente, a segunda com muito material original à mistura. Ainda não sei se acho o Jonathan Rhys Meyers convincente como Dracula porque não sou muito fã do actor (tirando o papel que fez em Velvet Goldmine). Nesta série, Dracula é reavivado por Van Helsing e assume o papel de um empresário visionário norte-americano que pretende subjugar as grandes forças capitalistas britânicas, nomeadamente a do petróleo. O seu criado pessoal é, claro, Renfield, interpretado aqui por um actor negro. Logo duas reinterpretações do original: Van Helsing como aliado e Renfield de uma raça que não a branca. Carfax Abbey aqui é Carfax Manor, uma mansão enormíssima com todos os luxos, e Mina Murray é uma cientista e não uma simples professora. A única coisa que, até agora, foi retirada das adaptações interiores foi a história de amor entre Dracula e Mina. A parte presente ainda não foi explorada mas vimos, através de flashbacks, que tiveram uma relação apaixonante no passado. Tal como, na versão de Coppola, tiveram Dracula e a sua Elizabetha. Estou muito curiosa com o que vão fazer disso nesta versão embora, como já referi, nem o actor principal nem a actriz que faz de Mina Murray – Jessica de Gouw – me convençam. Mas vamos ver. O que mais gostei foi da total make-over de Katie McGrath, habitualmente morena de olhos azuis e aqui uma deslumbrante e loiríssima Lucy Westenra. O que gostei menos foi… bem, foi o resto da história. Tirando a possível história de amor acho que temos aqui uma história meio rebuscada de vingança da parte de Dracula contra uma suposta Ordem do Dragão. Ao que pergunto: o Dracula não é da linha Dracul, sendo Dracul Dragão? Então o que é que se passa aqui? Hm?

A coisa gira é que o Dracula desta série é mesmo, assumidamente, o Vlad Tepes. Vou continuar a ver por puro entretenimento, já que Once Upon a Time in Wonderland falhou redondamente nesse campo.

“Elementary” – Primeira Temporada [2012/2013]

Ora então boa noite.

Hoje venho-vos falar de Elementary, a série que me preencheu as noites durante a passada semana e me fez ficar acordada até à uma da manhã ontem. Antes de mais, quero afastar já quaisquer críticas: adoro a versão da BBC. OK? OK.

Quando se começou a ouvir falar de uma adaptação norte-americana das histórias de Sherlock Holmes houve uma reacção bombástica por parte dos fãs da série da BBC da qual, não tenho vergonha em admitir, fiz parte: que era um disparate, que os norte-americanos não podiam ver uma série original que queriam logo copiar, mas que parvoíce é esta de tornarem o Watson numa mulher e ainda por cima asiática, vão estragar, vai ser horrível, ainda por cima o Miller e o Cumberbatch são amigos, que horror, fim do mundo, etc. Até que o espaço entre as temporadas de Sherlock começou a ser difícil de suportar e uma pessoa pensa “Hm, já agora deixa lá ver só para passar o tempo”. Vi os primeiros seis episódios ainda antes de ir para a Escócia. Lembro-me que na altura gostei, ainda me ri um bocadinho mas achava que de Sherlock e Watson os personagens só tinham o nome e que os episódios seguiam todos uma fórmula muito CSI-esca. O que não é nada o meu género. Por isso, parei.

Até Domingo passado, quando apanhei por acaso um episódio na TV e me lembrei que tinha deixado a série a meio. Meu dito meu feito. E mudei radicalmente de opinião.

Para começar, não se deve comparar sequer Elementary com Sherlock. A última faz um excelente trabalho, segue os contos de Doyle com um twist moderno, o humor é excelente e tem uma britishness inerente que é simplesmente deliciosa. Elementary, por seu lado, desenvolve mais os personagens tornando-os também contemporâneos, produtos do nosso tempo. O que está subentendido em Sherlock, em Elementary é explorado sem medos – dou como exemplo o problema de Holmes com droga. O Sherlock de Miller não é tão alheado da sociedade; tem dificuldades em compreendê-la na mesma e consegue ser um indivíduo estupidamente difícil mas está inserido nela. E é muito mais complexo. Quanto a Watson, a ideia de lhe mudarem o sexo foi excelente. Não só facilitam um futuro romance entre os personagens (que está a ser muito bem construído) mas conseguiram criar um excelente modelo a seguir. Uma mulher num mundo de homens que consegue manter a sua personalidade.

Elementary falha um pouco na continuidade. O décimo segundo episódio é um ponto de viragem na série, onde o passado de Sherlock lhe vem fazer uma visita na pele de Sebastian Moran e onde pairam as presenças de Moriarty e Irene Adler. Mas depois disso não há desenvolvimento nenhum até ao vigésimo primeiro. Digo, há desenvolvimento de personagens e da dinâmica Holmes/Watson, mas a história não anda para a frente nem para trás. Aqui a versão da BBC ganha. Ao terem temporadas de apenas três episódios conseguem-se cingir ao essencial sem ter necessidade de criar fillers. A vantagem de Elementary é que os fillers, embora estejam dentro do esquema CSI de que já falei, estão escritos de maneira muito inteligente e têm momentos pequenos que valem a pena.

O twist final é absolutamente brilhante, fazendo da série algo que não tem medo de desconstruir ideias pré-concebidas nem de inverter papéis de poder. Só tenho receio é que tenham esgotado logo as melhores ideias para um fio condutor agora na segunda temporada mas isso, meus caros, é acompanhar e ver o que acontece.

Foi uma boa surpresa.

“The Last Days of Anne Boleyn” – 2013

Este artigo vai ser muito pequeno.

O documentário é de apenas um episódio de uma hora e fala, como o nome indica, dos últimos dias da segunda esposa de Henry VIII. Foca-se sobretudo nos motivos que levaram à sua execução e na exploração das várias teorias existentes. Conta com participações de Hillary Mantel (Wolf Hall, Bring Up The Bodies), Alison Weir (demasiados para escrever aqui), uma senhora nova de quem gostei bastante chamada Suzannah Lipscombe e a infame Philippa Gregory.  Também aparece um senhor de quem gostei imenso mas cujo nome agora não me ocorre. David Starkey? Also assim.

Pessoalmente não sou nada fã da Anne Boleyn. Sei pouquíssimo sobre ela para além do que é lugar-comum mas a opinião que tenho é de que era uma mulher extremamente arrogante e ambiciosa. E este documentário tem a grande vantagem de nunca a vitimizar. Algumas historiadoras simpatizam com a sua história mas nenhuma delas pensa que o que aconteceu não foi, em parte, por culpa das suas acções. Pode ter sido uma mulher do seu tempo e pode ter sido vítima de acusações injustas (tenho particularmente dúvidas quanto à de incesto). E acredito, sim, que foi alvo de conspirações por parte de Cromwell, inventadas a mando ou não de Henry que já estava de olho na Jane Seymour. Mas não tenho dúvidas nenhumas de que Anne muito provavelmente seduzia homens fora do casamento e, nalgumas ocasiões, possa ter conspirado com eles. Mesmo que fosse conversa por conversa. Lá está, não tenho conhecimentos para o afirmar, mas é a ideia que tenho dela.

O que é certo é que ficou sem cabeça, o que foi um outcome giro para tudo o que Henry fez para conseguir casar com ela. Na mentalidade da época, quase podia ser considerado uma espécie de castigo divino. Ai queres-te divorciar da Catherine e ser chefe da Igreja Anglicana? Então toma, agora a tua mulher vai ter um aborto de um miúdo mal-formado e vai-te fazer a vida negra por ser inteligente, nariz empinado e ambiciosa. Não admira que todas as outras tenham sido submissas e que, quando apareceu outra que lhe pudesse ter feito frente (Anne of Cléves), a coisa tenha corrido mal.

Recomendo o documentário, sobretudo pelos comentários da Hillary Mantel. Que senhora adorável e inteligente.

“Persuasion” – 2007

Falei neste telefilme da ITV no artigo que escrevi sobre o medíocre Whitechapel por ter como protagonista o mesmo actor: Rupert Penry-Jones. Agora vou-me debruçar sobre ele com um bocadinho mais de atenção, quiçá fanatismo.

Para quem não sabe, o filme baseia-se na obra de Jane Austen publicada postumamente em 1818. E é uma história que tento muitas vezes ignorar que existe. Porquê? Porque fala de amor sofrido e de segundas oportunidades. Anne Elliot, protagonizada pela espectacular Sally Hawkins, é a filha do meio da ex-proeminente família Elliot, que se vê obrigada a alugar a sua enorme casa para pagar dívidas. Os inquilinos são Mr. e Mrs. Croft, esta irmã de Frederick Wentworth. E quem é Frederick Wentworth? É um oficial da marinha que, anos antes, se tinha apaixonado e pedido Anne em casamento apenas para ser recusado – Anne fora influenciada pela família a não casar com um homem que não tinha hipótese de alguma vez ter um estilo de vida estável, por mais apaixonada que estivesse. Portanto, o destino volta a pôr Wentworth e Anne a poucos metros de distância. Há culpa da parte dela, ressentimento da parte dele. Wentworth não perde uma oportunidade de mostrar a Anne o quão ficou magoado e o quão deseja que o próximo interesse amoroso seja uma mulher de opinião firme, que não seja facilmente influenciável. Mas as memórias de tempos felizes falam mais alto. Anne sofre em silêncio ao ver Wentworth aparentemente indiferente, mas Wentworth também está perturbado pela presença de Anne. E o resto é história.

Persuasion é, na minha opinião, o romance mais adulto e pessoal de Jane Austen. Nele não só notamos uma crítica social mais amarga e incisiva do que o habitual mas conseguimos salientar também os desejos de uma mulher que viveu isolada, que dedicou os seus dias à família mais próxima e que também se viu forçada a recusar a sua hipótese de felicidade por influência familiar. Gosto de pensar que Austen escreveu Persuasion como uma espécie de expiação à la Briony Tallis: uma expiação que não atenua o sofrimento de ninguém a não ser o da pessoa que causou a sua própria desgraça. Aliás, a comparação com a Briony é ligeiramente infeliz porque a Briony é simplesmente estúpida e egoísta mas adiante. Imagino Austen a escrever o reencontro de Anne e Wentworth a sonhar com uma segunda oportunidade com o seu Tom Lefroy, a escrever os diálogos finais como algo que tivesse pensado e ensaiado dizer a Tom se um dia ele regressasse. Posso ser demasiado sentimental e posso estar a ler demasiado na história mas, no final de contas, sou uma estudante de literatura. Cabe-me ser far fetched – até é quase uma obrigação.

Portanto tento sempre evitar aproximar-me da história. É demasiado emocionante até porque todos nós fizemos algo de que nos arrependemos no amor. Não que se tivéssemos feito o correcto fosse garantia de um final feliz – nunca nada o é – mas a ideia de uma segunda oportunidade, uma oportunidade real, para dizer as coisas certas e ter uma hipótese genuína de estar com quem gostamos é algo que desde adolescente me amolece o meu coração empedernido.